Rádio Aliança

noticias / Nacional

Índios tentam preservar tradições na aldeia Guarani Tiaraju no Norte de SC

Quinta-feira, 19 de abril de 2012

Área indígena fica a 20 quilômetros de Joinville, entre Araquari e Guaramirim

Índios tentam preservar tradições na aldeia Guarani Tiaraju no Norte de SC A pouco mais de 20 quilômetros de Joinville, no limite entre Araquari e Guaramirim, localiza-se a aldeia guarani Tiaraju, mais populosa da região Norte de Santa Catarina. São 23 famílias indígenas que moram às margens das BRs 280 e 101 com uma contradição diária: manter as tradições dos ancestrais e conviver com o progresso batendo à porta, como o barulho dos caminhões que se ouve a cada momento.

Lá vivem 112 pessoas, dos 436 indígenas da região, principalmente crianças. Longe da imagem sempre divulgada de índios pintados, em rituais, na aldeia o dia a dia é comum ao de muita gente.
 


As crianças acordam, vão à escola indígena enquanto os pais trabalham, fora ou na aldeia. A sobrevivência das famílias se dá principalmente pela renda obtida com a venda dos artesanatos, feitos com materiais tirados da própria mata.


Mas diferentemente de outros lugares, a Tiaraju tem seu próprio universo, que destoa do urbano e do rural. São as crenças guaranis e o modo de vida pacato que trazem uma aura diferente. De quem tem muito a ensinar por cultivar as memórias dos mais velhos, dos que viveram mais.

Marta Brizola, 49 anos, é a mais velha do grupo e também tem o nome de Tará, recebido no batismo guarani. Viúva de pajé, ela é a pessoa que mais sabe sobre ervas e é considerada a parteira da região. Mesmo em outras aldeias, é chamada para trazer mais uma criança ao mundo. A última foi Jenifer, de dez dias, filha de Cecília, professora indígena e neta de Marta.

A professora optou pelo parto na aldeia para seguir uma tradição. Ela, assim como outras mulheres, vê no parto em casa, feito pela mais velha do grupo, uma forma de manter viva a cultura indígena.

Quando crescer, Jenifer passará por um ritual centenário no costume guarani: o batismo. Lá ela recebe o nome indígena, que traz o significado de sua missão espiritual. Dezenas de pequenos passarão, em meados do ano, pelo batismo, que pode levar dias.

A casa de reza da aldeia Tiaraju já está sendo preparada para receber a cerimônia e as centenas de pessoas que realizam uma das mais importantes práticas da religiosidade indígena.


A Noticia



Apoiadores

Hiperfarma Farmácia Popular Itavel

contato: 55 47 3652-1891 - contato@aliancafm879.com.br

Copyright 2008 - 2018 RÁDIO ALIANÇA FM 87,9 - Desenvolvido por HIRTH Soluçães Web.

Siga-nos
Siga-nos no Twitter Siga-nos no Facebook Siga-nos no Orkut Assine noss RSS